Brasileiras consomem cada vez mais produtos de sex shop

O público brasileiro tem consumido cada vez mais produtos sensuais, a maior prova disso é que em meio a crise financeira o mercado de sex shop cresceu 8% segundo Paula Aguiar, Presidente da Associação Brasileira de Empresas do Mercado Erótico (ABEME).

Há várias razões para o crescimento do setor, uma delas é que tabus estão sendo quebrados e hoje os brasileiros conseguem entender que sex shop não é loja de pornografia.

“Estamos passando por uma mudança cultural muito interessante, com toda independência financeira a mulher tem buscado cada vez mais pelo próprio prazer”, diz a sexóloga Elaine Pessini, da Pessini Cosméticos.

A independência feminina tem total ligação com o crescimento do mercado de sex shop, pois hoje elas são 70% dos consumidores desse setor e detalhe: a maioria está em uma relação estável há pelo menos três meses.

A educadora sexual Neusa Pandolfo entende que hoje as mulheres sabem que podem ter prazer e por isso procuram produtos de sex shop que possam garantir esse sentimento. “As mulheres não tinham permissão de ter prazer e hoje ela está aprendendo a se conhecer, dando permissão para explorar o próprio corpo e permitindo que o parceiro também o explore”, diz ela citando a cultura machista que começa a ser revertida no país.

“As casadas buscam cada vez mais esses produtos para o casamento não cair na rotina”, diz Elaine Pessini indicando um segundo motivo para o aumento do consumo de produtos eróticos e sensuais.

Paula Aguiar concorda que as casadas se interessam pelos produtos de sex shop para apimentar a relação. “Elas buscam esses produtos para manter a chama acesa”, diz. E em tempos de crise financeira – que afeta diretamente os relacionamentos – os produtos eróticos vendem muito mais por fazer com que o casal permaneça unido mesmo diante dos maus momentos financeiros.

Neusa Pandolfo lançou o livro “Muito Prazer” exatamente para ensinar como as mulheres podem utilizar produtos eróticos nos relacionamentos, mas alerta: “Sexo não salva casamentos, mas dá uma temperada na relação”.

Mais vendido no sex shop

Na Intimi Expo, feira voltada para o mercado de sex shop que aconteceu entre os dias 24 e 27 de setembro em São Paulo, as empresas são unânimes ao falar que os produtos mais vendidos são os géis comestíveis.

Há produtos de diversos sabores e sensações que atraem o consumidor interessado em inovar a relação sexual.  A Pessini Cosméticos lançou na feira uma linha de produtos “beijáveis” clinicamente e dermatologicamente testados.

O Ice Now Premium é um gel térmico comestível que deixa a sensação de gelado na região onde é aplicado. Esse tipo de produto é um dos que mais vende no sex shop e a empresa inova trazendo sabores diferenciados: Cereja com Champanhe, Morango e Uva. Já para quem prefere a sensação de calor, a Pessini oferece o Is Now Premium que tem os sabores de Maça do Amor ou Tutti Frutti.

A empresa Pepper Blend é a 1ª empresa de comestível voltado exclusivamente para o mercado de sex shop, seus produtos mais vendidos são os da linha “Gostosinha”, géis comestíveis que fazem muito sucesso com o público.

A Intt também trabalha com esse tipo de produto e oferece uma linha de gel de funções para todos os gostos. Os sachês de gel corporal são oferecidos em sabores como Menta, Morango com Champagne, Morango, Uva, Guaraná, Chocolate, Menta, Coco e Açaí.

4 comentários em “Brasileiras consomem cada vez mais produtos de sex shop”

Deixe um comentário